18 de maio, 2015

Arthur Casas, sobre o Pavilhão em Milão, ao jornal O Estado de S. Paulo

O Arquiteto Arthur Casas falou, ao jornal O Estado de S. Paulo, sobre o pavilhão brasileiro na Expo Milano 2015, que assina em parceria com o cenógrafo Marko Brajovic:

Até outubro deste ano 140 países têm encontro marcado em Milão. 

Em discussão, uma resposta possível a uma necessidade vital: como nutrir todos os povos sem colocar em risco a sobrevivência do planeta?. "O desafio foi duplo: comunicar nosso papel como produtor de alimentos, mas também proporcionar ao visitante uma experiência de imersão sensorial", conta o arquiteto Arthur Casas, que, em parceria com o cenógrafo Marko Brajovic, assina o pavilhão brasileiro na Expo Milano 2015. Um gigantesco volume aberto, no qual os tons da estrutura de ferro acentuam o caráter orgânico da construção e a transição gradual entre interior e se exteriores desfaz qualquer limite entre arquitetura e cenografia. Ponto alto da montagem, uma imensa rede esticada, definindo espaços de relaxamento e de lazer, já se revelou uma das principais atrações da mostra, inaugurada no início deste mês. "Ela é permeável como a cultura brasileira", arrisca Casas, que, nesta entrevista exclusiva, apresentou seu projeto para o Casa.

 

Arquitetura e cenografia parecem ser indissociáveis no projeto do pavilhão. Como foi trabalhar como cenógrafo MarkoBrajovic? 

A união dos nossos escritórios e expertises foi essencialparavencermoso concurso que escolheu os autores do projeto. Houve desde o começo uma grande sinergia entre nossas equipes. 

Percebi de cara que não se tratava de um projeto especificamente de arquitetura mas que dependia, em igual importância, da sua apresentação e conteúdo. De como veicularíamos a mensagem que precisaríamos passar.

 

É o primeiro projeto do tipo que desenvolve? Quais parâmetros ele comporta?

Sim, foi o primeiro. A Expo é imensa e a concorrência, idem. É preciso, portanto, "convidar" o público a conhecer e vivenciar nosso espaço, até por que é impossível percorrer todos os pavilhões em um único dia. Daí a ideia de deixar o espaço mais permeável, com vários acessos e, inclusive, com a adoção da rede que se tornou um dos "musts" da mostra e, muito provavelmente, vai contribuir para fazer do nosso pavilhão o mais visitado do evento.

 

A propósito, qual o significado dela do ponto de vista simbólico e construtivo?

Nesse momento, estamos em rede, de alguma forma nos comunicando. Além disso, ela se conecta diretamente ao tema da Expo, uma vez que, no futuro, apenas uma rede eficiente vai possibilitar que os alimentos possam chegar ao consumidor final, sem passar por grandes centros de distribuição. Foi essa reflexão que nos levou a incorporá-la ao projeto. Além, claro, de seu aspecto lúdico. Ela imprime humor e diversão ao pavilhão, além de remeter à preguiça, tão nossa, cantada por Caymmi. 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
05/01/2016 - 2016 será o ano da Arquitetura em SP
09/10/2015 - Bienal de Chicago: Archdaily elege trabalho do Rua Arquitetos como um dos 15 imperdíveis do evento
06/10/2015 - Fernandes Arquitetos vence o African Property Awards 2015-2016
06/10/2015 - Aumenta o protagonismo da arquitetura brasileira em eventos internacionais do setor
11/09/2015 - Veja os 7 projetos mais premiados da arquitetura brasileira
11/09/2015 - Built by Brazil define planejamento estratégico para 2016 e 2017
11/09/2015 - Premiados - Museu Nacional da Memória - Bogotá - Colômbia
28/08/2015 - "Não se pode executar obra com anteprojeto", diz Miriam Addor
e-mail incorreto
e-mail cadastrado
Receba nossa newsletter:
Cadastre-se!