Studio Arthur Casas

Casa AL

Como não poderia deixar de ser, a Casa AL é um elogio à paisagem do Rio de Janeiro. Feita à quatro mãos junto ao cliente de longa data do Studio, sua concepção começou pela escolha do terreno. O lote triangular, cercado por altos muros, deixou o futuro proprietário cético quanto à possibilidade de alcançar a vista esplêndida entre a Pedra da Gávea e o Atlântico. Para trocar seu apartamento por uma casa em São Conrado, foi preciso convencê-lo de que a arquitetura transformaria a aparente desvantagem do declive e da presença dos vizinhos em ponto de partida do projeto excepcional que se eleva para alcançar o mar. Solteiro e com vida social intensa, o empresário teve bastante abertura de espírito para propor um programa simples: um espaço para receber os amigos e compartilhar a paisagem; outro para ter total intimidade e contemplar a paisagem. O primeiro gesto consistiu em propor um grande volume horizontal suspenso, acima dos muros e dos telhados vizinhos. Neste espaço estão todas as atividades sociais, enquanto o quarto dos hóspedes e serviços situam-se no térreo, e o apartamento privado, no segundo andar. A implantação buscou trabalhar a escala urbana da rua, transformando os próprios muros da casa em uma sucessão de percursos que partem de um jardim aberto e conduzem a uma galeria revestida em pedra, diante da entrada principal. Os percursos revelam, gradualmente, a transição entre o contexto da rua e a sala que se abre inteiramente à vista espetacular do Atlântico. Grandes linhas paralelas ao horizonte reforçam a sensação de amplitude. Neste espaço, impressionantes vãos mesclam sala de estar, home theater, jantar, cozinha gourmet e varanda. O piso em cumaru prolonga-se até o deck, apagando as fronteiras, enquanto os caixilhos são abertos e recolhidos por entre as paredes. O cálculo estrutural foi levado aos limites num projeto em que o volume intermediário suspenso é praticamente sustentado apenas pela escada em concreto e por dois pilares metálicos, o todo apoiando o volume superior revestido em madeira. A grande piscina de borda infinita constitui volume à parte, como objeto necessário à transição entre arquitetura e paisagem, diante da varanda delimitada por delicados guarda-corpos metálicos que parecem desaparecer em meio às linhas horizontais. Se, de um lado, a casa enquadra o mar, do outro, parece ser enquadrada pelas montanhas e florestas, em contraste com a escala monumental da Pedra da Gávea e o constante movimento dos amadores de asa delta. No pavimento inferior, encontram-se suítes para hóspedes, dependências de serviço e a cozinha. O buscou apagar a presença dos muros que circundam o lote, mimetizando a mata Atlântica da floresta da Tijuca, ao trazer a exuberância de suas espécies para o pátio e jardins diante dos quartos. A escada externa em concreto, em tom próximo ao da pedra Carijó, vinda de Minas Gerais, transforma-se em verdadeira escultura em balanço, conduzindo ao primeiro andar social. A sala de estar parece flutuar por entre as árvores que vêm do pátio no pavimento inferior e a vista de São Conrado. Em contraste com a sobriedade da pedra, o mobiliário buscou a suavidade e o máximo de conforto e de despojamento, seja pelas peças compradas em antiquários nova-iorquinos, seja pela utilização de fibras vegetais, como o tapete de sisal. A mesa de jantar desenhada pelo Studio Arthur Casas também se volta à paisagem, enquanto a única divisão possível deste grande espaço é feita por paredes móveis que isolam a cozinha gourmet durante recepções. As duas colunas metálicas recuadas, em tom cinza-chumbo, permanecem como discreto testemunho do esforço estrutural para alcançar a impactante horizontalidade. Finalmente, o volume do segundo andar é quase uma casa à parte, concebido como uma cabana, na escala intimista pedida pelo cliente, com distribuição entre escritório, quarto, closet e banheiro com spa. A marcenaria esculpe e organiza o espaço em níveis distintos, com a escrivaninha voltada para o mar, assim como as generosas janelas que trazem o Atlântico para dentro deste apartamento privado. A Casa AL resulta do equilíbrio entre um terreno difícil e a simplicidade do desejo do cliente de receber os amigos e com eles admirar a beleza do Rio de Janeiro. O desafio de responder a essas duas exigências revela a dificuldade de realizar arquitetura verdadeiramente concisa, que deixa toda a expressão ao contexto extraordinário, e a satisfação de alcançá-la com poucos gestos e materiais que mimetizam a paisagem.
OUTROS PROJETOS
Residência Juquehy
Passarela Chucri Zaidan
Fábrica de Cerveja Ambev
Top Towers
Estações de Transferência - São Paulo
Pavilhão Expo Milão 2015
Riserva Uno - Edifício Venezia - Áreas Comuns
Geometria
Início:01 de maio, 2010
Término:01 de maio, 2013

- RJ
,
- RJ
e-mail incorreto
e-mail cadastrado
Receba nossa newsletter:
Cadastre-se!