Studio Arthur Casas

Hotel Emiliano

O hotel Emiliano chega ao Rio de Janeiro e, assim como o de São Paulo, leva a assinatura do Studio Arthur Casas ? sendo a concepção inicial do projeto de coautoria do arquiteto americano Chad Oppenheim. A arquitetura contemporânea do edifício, localizado de frente para a praia de Copacabana, privilegia a luz natural, valoriza a vista e conecta os hóspedes à cidade maravilhosa. Para atender ao briefing do cliente por um projeto que satisfizesse ao padrão de um hotel cinco estrelas e cujo térreo pudesse ser usufruído por clientes que estivessem ou não hospedados, foi instalado um bar logo na entrada e o fluxo de pessoas direcionado para dois sentidos diferentes: um leva ao restaurante ou centro de convenções e o outro para a recepção, com um estar privado para os hóspedes. O hotel acomoda também um spa, locado no 11º pavimento junto às saunas, duchas especiais e academia, e oferece um ambiente de lazer na cobertura, onde foram alojados a piscina com borda infinita e o deck molhado. Este último andar permite ainda uma vista deslumbrante do Leme ao Forte de Copacabana. Em respeito a lei que limita a altura e o recuo de prédios localizados à beira-mar devido à sombra que estes podem vir a fazer na praia, o edifício se encontra em um lote de 956,35m² e tem 9.734,37m² de área total dividida em 12 andares, entre os quais se distribuem 90 apartamentos de 42 a 120m². Com um design vivo, a fachada merece destaque. Inspirados nas curvas da paisagem do Rio de Janeiro e desenhados exclusivamente para o hotel, os elementos vazados, conhecidos como cobogós, revestem todo o prédio e quebram a continuidade dos blocos de concreto dos edifícios da orla, dando identidade ao projeto e fazendo do Emiliano um ponto de referência na praia de Copacabana. Os painéis, resistentes à maresia e às intempéries, são desenvolvidos em moldes metálicos com fibra de vidro injetada em dois padrões diferentes por meio de uma tecnologia específica. Fixados em caixilhos com abertura tipo camarão, eles podem ser totalmente abertos das varandas dos quartos, criando diferentes configurações na fachada. Quando fechados, os apartamentos ganham privacidade, mas não perdem as entradas de luz e ventilação naturais e nem a vista para a paisagem ? na escala do hóspede situado na varanda, os cobogós funcionam como janelas, através dos quais se tem uma perfeita visualização do mar. Já os interiores remetem ao modernismo brasileiro e foram pensados de modo a integrar elegância e conforto à casualidade do carioca. Um painel do artista e paisagista Roberto Burle Marx exposto na recepção serviu como inspiração inicial para o Arthur Casas pensar a concepção dos ambientes internos. A partir dos tons de verde da obra, que homenageia a natureza da Baia de Guanabara, foram escolhidos os tecidos e as texturas dos móveis do lobby e dos dormitórios. Toda a decoração do hotel tem elementos que valorizam os tempos áureos da boêmia de Copacabana, com mobiliário assinado por renomados designers dos anos 50, como o carioca Sergio Rodrigues, e por designers contemporâneos, como a italiana Paola Lenti. Entre as peças, estão algumas assinadas pelo próprio Arthur, caso das banquetas metálicas com trama de palha de bananeira e das mesas de cacos de mármore das suítes, e também das cadeiras Lampião que compõem a decoração do restaurante principal. O arquiteto desenhou ainda os painéis de madeira em alto-relevo dos elevadores. A iluminação, por sua vez, procura realçar a arquitetura por meio de luminárias lineares e iluminação indireta. Nos revestimentos predominam os tons claros de materiais 100% brasileiros, a exemplo da palha natural, a madeira de carvalho branca, o mármore branco paraná, o granito e a pedra. O paisagismo se faz presente nos interiores por meio de jardins verticais. Na cobertura, a vegetação foi escolhida com muito cuidado devido ao clima com maresia e vento. No térreo, o verde abundante reproduz a sensação de Mata Atlântica e abraça o restaurante, enquanto que no estar privado dos hóspedes foi feita uma composição que remete à calçada de Ipanema. O projeto arquitetônico é, portanto, uma homenagem às belezas naturais da capital fluminense e um convite para os hóspedes usufruírem da melhor maneira possível dos serviços e ambientes do Emiliano Rio.
OUTROS PROJETOS
Casa AL
Escola Waldorf
Ouvidor
Pavilhão Expo Milão 2015
Laboratórios Dupont
Apartamento Higienópolis
Escritório Hygea
Aeroporto Internacional de Vitória
Início:11 de novembro, 2013
Término:11 de novembro, 2017

- RJ
Avenida Atlântica, 3804
- RJ
e-mail incorreto
e-mail cadastrado
Receba nossa newsletter:
Cadastre-se!